quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Overdose do Silêncio


Overdose do silêncio
Ironia provocada
Caminhada estagnada
Noite antes acalentada
Vozes e violas caladas
Cervejas e tábuas congeladas
Cortina devassada
Para a vista que hoje é nada

Talentos reprimidos
Sonhos ressequidos
Capitais desaparecidos
Ideais inibidos
O suposto maestro falhou e o palco acabou 

Cala o canto, os aplausos, os latidos que gritavam
Cala o canto, os aplausos, os latidos que gritavam

Ela disse - Peraí! Vamo fazer um refrão!
Ela disse - Peraí! Vamo fazer um refrão!
Ela disse - Peraí! Vamo fazer um refrão!
Ela disse - Peraí! Vamo fazer um refrão!

A máscara cai, a cortina fecha, tudo vem ao chão








Camila Sequeira


Nenhum comentário:

Postar um comentário